Gestão Colaborativa: Estamos Prontos?

Por que será que é muito simples falar sobre colaboração e tão complexo vivê-la como um processo natural e altamente agregador ao negócio?
Possivelmente por termos um modelo voltado para ganhar individualmente, junto com o medo de ter que compartilhar ou identificar que há mais força quando somamos e, portanto, estamos construindo relação com interdependência para ganhar, construir e aprimorar competências.
Todos sabem, pelo menos no discurso politicamente correto, que vivemos um novo momento em que a tecnologia irá ocupar um espaço das habilidades técnicas e teremos mais espaço para a sutileza das relações humanas.
O potencial inovador está nas relações e nas conexões que seremos capazes de realizar. A mente cartesiana, linear e da inteligência de uma pessoa como destaque passa por profundas transformações.
A inteligência nas relações conhecida como inteligência emocional, inteligência social e múltipla ganham espaço para as conexões inteligentes para os profissionais e, naturalmente, ofertando resultado para o Business.
A inteligência que fará os negócios prosperarem vem da diversidade em se pensar, ou, como costumo classificar, a movimentação do MindSet com foco e flexibilidade, de fato a gestão colaborativa poderá ser o maior diferencial.
Então como implanta-lá?
Sou crente nas possibilidades que temos como seres humanos, e para colaborarmos o primeiro desafio a ser vencido é simples e chama-se vaidade!
Para termos humildade é essencial nos “esvaziarmos” da vaidade para olhar outros pontos de vista, ideias e soluções de forma tranquila, sem internamente cobrar que ideias brilhantes tenham que ter um único dono.
Assim, mais do que o “papo furado” de que estamos abertos a isso só para sermos modernos, é importante descobrir com profundo mergulho em seu ser que, ter um grupo ou outras pessoas com potenciais brilhantes não inviabiliza o valor de outros profissionais.
Desta forma, a inovação chega com o chamado intenso de autoconhecimento e sem ele a inovação é pífia.
A colaboração pressupõe humildade para que sejamos melhores juntos do que separados.
Esse é um grandioso desafio, que mantém o modelo de gestão competitiva tão ativa. Principalmente os que foram vencedores com um modelo competitivo, porém, estamos em mudança e a estratégia antiga pode deixar de funcionar em campo com novos modelos.
Outro desafio é que a gestão colaborativa é diferente de gestão comunitária, onde o sentimento social é o grande condutor.
Na gestão colaborativa o foco está no resultado com o maior número de colaboração de conhecimento, estratégia, cenários, soluções e toda informação que agregue valor a conquista do objetivo. Ela pressupõe inúmeras economias como tempo, retrabalho, política interna corporativa, e tudo isso promove a eficácia.
A inovação acontece quando conquistamos um resultado de um modo diferente, com maior valor e menos demanda, isso proporciona acessibilidade.
Então para construir algo novo é importante pensarmos diferente, o único caminho para descobrir é experimentar com flexibilidade e abertura. A Era da colaboração chegou!

Márcia Dolores Resende.